O “marketeiro” e o que vive de verdade

Há os que vivem mesmo e os que mostram que vivem mesmo. Um sempre vive e o outro pode estar ou não vivendo. Esse é o ponto; com certeza certas pessoas iludem-se com esses negócios de “serem felizes sempre”, claro que Todos devem ser felizes, mas intensamente e o tempo todo chega a ser um problema, além do que muitos devem cair nessa história.

Nos dias de hoje está bem mais fácil mostrar a todos o quão feliz e legal é sua agitada e badalada vida, está na ponta de seus dedos e não precisa nem sair de casa para isso; todo mundo olha, compartilha nas redes sociais e fazem infinitas coisas para chamar a atenção das pessoas ou não (nesse caso só se você acreditar em Papai Noel mesmo…). As pessoas tornaram-se viciadas nisso e com caracteres limitados (isso me mata, para escrever necessito de umas três postagens rs), as pessoas se isolam do que há ao seu redor e vivem o futuro. Talvez para as pessoas não se sentirem mal, elas postam muitas coisas para receber infinitos likes, seguidores e afins para que se tornem aceitas pela sociedade e ter um pouquinho de atenção (ela não se aceita, mas se for aceita pela sociedade aí é legal. Bizarro, não?). Redes sociais são legais e tal, mas se não souber se controlar vira um “Procrastinação Simulator 3000” e aí ferrou tudo. Uso também, entro nos finais de semana e passo uns vinte minutos e pronto, já está de excelente tamanho.
O primeiro passo é aceitar como você é (sim é isso mesmo que você acabou de ler e sim, tem muitos parênteses nesse post), isso já irá lhe tornar um cara pelo menos 50% mais feliz, pois você se aceita e dane-se, não precisa da opinião dos outros acerca de você; segundo é parar de ficar tirando fotos como se não houvesse amanhã, tirar fotos para recordar é bacana, mas advinha, também tem limites, conselho: use mais seus olhos do que sua câmera. Terceiro passo, último, mas não menos importante é parar de ficar olhando postagens de gente que coloca que está em 330 lugares diferentes e em todas está infinitamente feliz, pois 90% delas não estão tão felizes assim e não estão alegres o tempo todo.
Para quem gosta de uma “receita de bolo”, está aí e choro também é livre, sintam-se à vontade. Três passos bem legais que funcionarão que é uma beleza.

Muita felicidade com pouca coisa

Quando éramos crianças, sempre dávamos um jeito de nos divertir, seja sozinho ou com os amigos, mas sempre usávamos o que os adultos esqueceram de vez como usá-lo, que é a imaginação. Esse era um dos artifícios usados para nos divertirmos naquela época tão feliz em nossas vidas e que muitas pessoas sentem saudade até hoje; nós temos que estarmos felizes com o que temos, concordo com a visão de: “estar feliz, mas nunca satisfeito”, pois isso nos instiga a corrermos mais atrás daquilo que nós queremos e também de ter disposição de movimentar-se para conseguir algo melhor sempre ao invé s de somente ficar reclamando por aí e sentir inveja da vida alheia.

O que eu quero dizer é que muitos de nós estamos achando que felicidade é quando vou ter aquilo e se não o tiver, serei totalmente infeliz e incapaz de viver (o que é algo totalmente absurdo). Há coisas que não podemos fazer coisa alguma para reverter esse quadro, principalmente em se tratando de sentimentos de uma outra pessoa; querer fazer amarroções e o caramba à quatro não adianta e só vai fazer mais mal a você do que ao alvo, pois é muita ignorância e querer manipular os outros nunca foi algo interessante e muito menos bom (por motivos óbvios). Claro que também há os que têm que querem tal coisa, bem material para ser mais preciso, no entanto pode ser outra coisa também, e que não conseguem, seja algo que é muito caro ou qualquer coisa que não está ao nosso alcance, mesmo que por um dado momento em nossas vidas.
Sejam coisas alcançáveis, sejam coisas impossíveis ou seja o que for, aproveite o que você possui e o principal: Faça o melhor  com o que você tem. Às vezes você é feliz e não sabe e com certeza, pois isso aconteceu comigo e é muito provável que já tenha acontecido com vocês, correr tanto atrás daquilo que desejavam e quando possuíram aquilo, já não parecia ter mais tanta graça que havia antes e então você vai e fica logo com a cabeça em outra coisa e assim vai indo, sem fim. Vivam o hoje, não vivam em função daquela coisa 100%, pois além daquilo lhe fazer um mal terrível, você deixa de viver hoje, o Presente.

Cale-se!

Não, não é aquele cálice de vinho tonto de sangue (risos), no entanto é algo bem sério que eu tenho que dizer aqui e não é sobre censura, caso você tenha imaginado isso e é claro que eu lhe lembrei com o trecho da música de Chico Buarque, e sim sobre falar nas horas corretas e principalmente não falar o que não deve (erro besta que eu já cometi inúmeras vezes e ainda sim vez ou outra acabo por cometê-lo, infelizmente para mim, mas felizmente para a minha experiência de vida que apesar de muitas vezes ser dura comigo, ensinou-me a ser muito mais forte do que eu era e agora estou devolvendo o conhecimento adquirido por mim para a natureza em forma de post). Apesar da explanação ter sido grande e o parenteses maior ainda, é basicamente isso que se deve pensar antes de se dizer algo, pois palavras são como o vento, não tem como voltar, ele só vai e chega à outra pessoa (aí tá feito a merda rsrsrs).
Tem muitas coisas que as pessoas não estão preparadas para ouvir, principalmente quando se trata de ocultismo. Tudo é muito diferente, muito novo e isso assustam-nas e destroem-nas se elas souberem sobre diversas coisas que muitos de nós sabemos e até mesmo nós poderíamos ficar assustados caso ouvíssemos certas coisas, talvez isso nos enloqueceria de tal forma que seria irreversível o dano causado a nós. Todos estamos sujeitos a essas coisas, por isso muitas coisas não são reveladas para o público, elas não estão preparadas e algumas delas nos incluem também. É claro que não é somente por esse motivo que inúmeras informações são ocultadas de nós, não sejamos ingênuos… Além do que as pessoas espalham para as outras, mesmo você pedindo extremo sigilo acerca daquilo e mesmo assim, elas o fazem sem pensar duas vezes. Esse fato também acaba tornando-se algo muito problemático em termos de darmos alguma informação a outras pessoas e isso acabar por se tornar público, algo que, às vezes, nem ela deveria estar sabendo disso e você acha que ela merece, todavia esta acaba comento esse temeroso problema que faz com que nós que tenhamos um pouco mais de informação, não repasse tais conhecimentos para outras pessoas, pois elas simplesmente chutam o balde e isso não é nada legal…
Não obstante deve ser divilguadas algumas coisas para as pessoas para que estas tomem consciência daquilo que lhes rodeia, nada mais justo do que isso. Somente algumas e deve-se ter em mente se aquilo pode ou não ser dito/divulgado aos outros. Outra coisa também é não dizer certas coisas, pois foi-lhe pedido sigilo acerca de determinado assunto/conhecimento; se lhe foi pedido algo desse tipo, com certeza a pessoa que lhe passara o conhecimento de determinado assunto tem motivos o suficiente para pedi-lo e você que recebeu o que lhe foi dado, tomar consciência do pedido. O que quero dizer: se você quer divulgar ou mostrar para outras pessoas certas coisas, tenha um pouquinho de bom senso ao fazê-lo, além de manter sua palavra, o que é beeeeem importante.
“Torne-se dono do seu silêncio do que escravo de suas palavras”.

Você sabe com quem está falando?

Muitas pessoas acham-se superiores às outras somente por um cargo ou por qualquer coisa que seja, principalmente em relação a status social. O principal é saber quem ninguém é melhor que ninguém, decomporemo-nos da mesma maneira, iremos para o mesmo lugar, bem como todos os outros. Neste vasto universo que está em constante expansão, nós somos o grão de areia nessa imensa praia e ainda tenho dúvidas se somos mesmo o grão, poderíamos até sermos menos que isso nesta relação micro-macro.

Todos somos enquadrados em diversas separações que o próprio ser humano impõe, mas estamos sempre mudando (havendo, evidentemente, excessões). Muitos apoderam-se e apoiam-se nestes grupos imaginários, separando-nos cada vez mais, o que não é da natureza em si. Esta separação sobe à cabeça de alguns e estes se acham que tem muito poder sobre a outra ou até mesmo acabam se achando mais importantes por ter uma simples “classe social mais elevada” não levando em conta coisas muito mais importantes como o caráter, a honestidade, o conhecimento, entre outros exemplos que nos fazem sermos seres civilizados e mais elevados.
Devido a esses fatos que devemos, portanto, incluir em nossa sociedade um pouco de caos, não no sentido popular da palavra, mas sim no sentido mais esotérico da coisa. Nós possuímos muitos desequilíbrios devido ao excesso de ordem que por sua vez gera uma falta de caos; ambos são bons, todavia estes devem ser equilibrados. Nós somos seres que vão (não sei porque) de encontro à natureza, gerando várias coisas que nos separam dela e acabos por nos tornarmos cada vez mais indiferentes ao que ocorre com a nossa Mãe; não irei entrar nesse mérito, não obstante deve-se pensar muito bem nisso, pois é algo que gradualmente vai tornando-se pior.
Não devemos, portanto, nos separarmos tanto… Hierarquia é bom, é necessário, mas tudo na dose certa e é claro, com as pessoas certas, porque se não já viu né…

“Deixa eu postar aqui…”

Vou falar algo que provavelmente pisará no calo de muita gente por aí e/ou com certeza você deve conhecer alguém que seja assim. Acho que esse post será um pouco mais de desabafo de minha parte, no entanto ainda aborda sobre as coisas que eu prezo e posto aqui para vocês como um exame de consciência para se tocarem para a realidade. Pelo título do post, vocês já devem saber sobre o que eu vou falar ou pelo menos têm uma noção acerca do assunto.

Estou escrevendo sobre uma coisa que aconteceu comigo e não faz muito tempo que ocorrera; todos saímos para andar um pouco na natureza, coisa que não fazíamos há um bom tempo. Fomos todos a um rio que corria, era muito bonito, cheio de pedras por onde o rio passava e estávamos todos felizes compartilhando a felicidade de se estar em um lugar que nos fazíamos tão bem, no entanto um integrante do grupo decidiu tirar fotos e mais fotos para postar em muitas redes sociais das quais nós sabemos muito bem quais são e é claro que não direi aqui. O problema disso era que ele não prestava atenção ao que o rodeava e toda aquela tranquilidade e renovação que o ambiente adentrava nossos seres de maneira sublime e diria até divina. Digo mais isso não no sentido de ser chato com as coisas e ser um “senhor natureza” e essas coisas, mas sim de aproveitar o seu presente e não o seu futuro, pois quem sempre vive o futuro nunca o experimentará, uma vez que quem só vive neste tempo, nunca viverá, pois ele sempre estará à frente e não consigo e, portanto nunca alcançará o tempo que tanto almeja.
Tecnologia é bom, é necessário, todavia é preciso saber o momento certo de parar, bem como os limites para tais coisas. O que era para ser algo que serve para entretenimento e fazer as coisas com mais agilidade, torna-se necessidade para a pessoa, ela vai viciando e colocando subliminarmente que ela precisa disso e esta acaba tornando-se dependente do aparelho/redes sociais em geral; torna-se um mero zumbi e não sabe apreciar as coisas sem estar dividindo a atenção com o celular.
Não há a necessidade de postar o quão feliz você é (e muitas vezes isso é bem mentiroso) e sim de ser efetivamente feliz, estar tranquilo consigo mesmo, pois é isso que importa e merece sim toda a atenção e carinho com relação a isso.

Evolua sempre

Será que você vai atrás das coisas que você quer com garra? Será que você quer aquilo que tanto deseja ou você meio que quer?

Todos nós devemos buscar os nossos objetivos com determinação para conseguir realizar sua Verdadeira Vontade, conseguindo alcançar todos os objetivos que forem colocados tanto pela vida quanto por nós mesmos. A Grande Obra de ser feita e somente você pode construí-la, ou melhor, deve fazê-la.
Nada na vida é fácil e nada na vida são flores e isso é muito bom para que não fiquemos mal acostumados com a vida e com as situações que nos obstam sem ao menos nós estarmos preparados para aquilo, que é o que torna a vida mais interessante do que ela já é. O desafio é o combistível básico da vida e da evolução que impulsionam todos os seres a viverem e se adaptarem ao meio em que eles vivem, seja ela qual for. Forçam toda a natureza saírem da mediocridade e se interligarem, tornando-se Una, coisa que os seres humanos ainda não aprenderam, muitos deles acreditam que tudo no mundo é separado, é da nossa natureza realizar coisas do tipo, no entanto tudo isso é uma ilusão, uma vez que tudo é Uno, tudo é um só, não estão separados e sim, interligados, interdependentes como as engreanagens de um relógio que trabalha o tempo da vida.
O universo dá a si mesma o rumo para a evolução seja em qualquer campo/camada que o ser, entidade ou seja lá quem ou o que for. Tanto em cima quanto embaixo, tanto no micro quanto no macro, nada foge à regra; quem não se enquadra neste perfil é “engolido” pelos que evoluem e se sobresaem. Por isso ascendam a fim de estarem em harmonia com o Todo.

Vendedor de ilusões

Cada vez surge mais pessoas assim, talvez pelo motivo de simplesmente as pessoas perderem as suas alegrias ou o principal, perderem a sua Verdadeira Vontade que ecoa pela alma e é a essência de todos os seres viventes no planeta e imagino eu que em todo o universo partindo do princípio do que está acima é como está abaixo. Com isso perdemos força e energia para continuar a nossa jornada em busca de realizar a Grande Obra.
Muitas dessas pessoas, infelizmente, ganham a vida com isso e transformam as pessoas em meros zumbis que clamam por um cerebro que na realidade os deles já atrofiaram por não usarem de maneira adequada e muito menos levando as suas mentes a um potencial extremamente importante para o desenvolvimento pessoal e até mesmo espiritual e a pessoa se torna totalmente dependente desse vendedor, pois este se torna como uma droga para quem compra alucinadamente os sonhos que não podem de forma alguma ser rralizados pelo que o vendedor lhe propõe; uma vez que os seus seguidores ou fregueses, por assim dizer, atrofiam seus mais preciosos bens que lhes dão a capacidade de pensar: a mente. Quando atrofiado, estes meros zumbis irão correr por um cérebro totalmente funcional para se alimentar, pois o seu corpo e a sua essência necessita disso, o que torna sua busca totalmente, pelo menos na grande maioria dos casos, frustrada.
Infelizmente o vendedor não leva somente o seu dinheiro, mas sua alma e sua essência, detonando com a sua individualidade e deixando-lhe em uma zona de conforto que lhe puxa para a procrastinação que eles tanto desejam para que vocês os satisfaçam para se tornarem meros escravos dando-lhes o que eles quiserem de vocês. É uma pena, no entanto é uma realidade que só cresce. Todos os dias as pessoas cada vez mais sentem-se mais e mais vazias em tudo, seja financeiramente, em um relacionamento, seja este afetivo ou não; o ponto é que as pessoas querem fórmulas mágicas para preencher este vazio que lhes ocupa, no entanto não é bem assim que isso funciona. Não há atalhos e se houver, será extremamente oneroso trilhá-lo, talvez muito mais que a maneira convencional, pelo preço do tempo. Há sim várias maneiras de se encontrar um caminho e seguir em frente com esse vazio e você irá perceber que vazio é a falta de você, não de qualquer outra coisa, depositam felicidade nos outros e nas coisas, sendo que você é o responsável por ela, você e somente você pode preenche-lo. Logo perceberá que a felicidade é única e exclusivamente VOCÊ. Você deve estar feliz por estar consigo mesmo, não estou dizendo para tornar-se uma ilha, mas digo-lhe para que busque a felicidade de estar com você e não tente fugir como muitas pessoas o fazem, assistindo um filme, passeando com os amigos…
Preencha seu vazio com você.